Tendências

Tendências

Architecture | co-Lab | Colaboração | Minhocão

O Futuro do Minhocão em SP

Publicado em 29/07/2019

Os planos há muito tempo estão em andamento para transformar o Minhocão em um parque. Desde a sua inauguração, em 1971, a rodovia tem sido objeto de controvérsia: uma cicatriz concreta que bifurca os bairros, sufocando os moradores com barulho e poluição. Essa não é única perspectiva quanto ao espaço que já inspirou documentários como Ponto de Vista e Elevado 3.5.  Em janeiro, depois de anos de discursos e debates, o prefeito Bruno Covas anunciou que o Minhocão será desativado, abrindo caminho para o “Parque Minhocão”, inspirado no High Line Project de Nova York. Eles contrataram o desenhista urbano e ex-prefeito de Curitiba, Jaime Lerner, para projetar o parque, e parte de seu design inclui muito necessárias estruturas de sombreamento que funcionam como filtros de luz sobre as aberturas propostas que ele deseja criar para iluminar a parte inferior escura e úmida da rodovia. A AA Visiting School São Paulo 2019 trabalhará em propostas protótipo 1: 1 para essas estruturas de sombreamento usando estruturas de tecelagem paramétricas usando bambu e outros materiais de origem local.

Conforme matéria recém publicada pelo NY Times ‘the Logic of the Weave’ Weaver e artista Alison Grace Martin emprega geometria não-euclidiana em suas pequenas criações de bambu em um workshop com alunos de arquitetura mundiais. O objetivo do workshop era conceber estruturas – tecidas de bambu, um recurso sustentável e local – para fornecer sombra para o parque, ou estruturas que filtrassem a luz solar através das aberturas das ruas e na paisagem escura abaixo. Ms. Martin tipicamente tece objetos de papel em pequena escala – um toro, uma cesta, um biquíni – ou estruturas de bambu de tamanho médio, como uma treliça de jardim com túneis construída com bambu de seu quintal. Ultimamente, seu trabalho está atraindo a atenção de arquitetos e engenheiros, e ela começou a buscar várias colaborações. Vale a pena conferir a matéria do NY Times e tirar as sua própria conclusão. Ainda dá tempo para contribuir e ser ouvido.

 

Ver outras tendências